Loading...
Loading...

Pesquisar neste blogue

A carregar...

terça-feira, 8 de Março de 2011

PESQUISA QUALITATIVA EM SERVIÇO SOCIAL

Cecília Meirelles diz a “vida só é possível reinventada”.
Como a vida, a pesquisa só é possível reinventada.
No Serviço Social e nas outras profissões, o dialogo foi, por muitas décadas, com a pesquisa clássica (quantitativa).

Pesquisa quantitativa?
 Opera com a idéia de conhecimento descritivo, quantitativo, experimental, observação (Conhecimentos exatos)
 Observava e registrava a luz, o calor nos dias de verão ou inverno para manipulação; i. é, quantificar a existência do fenômeno nas ciências naturais e exatas.

Pesquisa quantitativa?
 Extrai-se como resultado, um conhecimento considerado suficientemente preciso, exato, que não teria sido atingido e aplicado sem as noções básicas de contar, medir e acompanhado de instrumentos matemático para manipulação.
 Observações e mensurações mais apuradas e extensivas no âmbito dos conhecimentos exatos.
 Questionava-se:
 Somente a pesquisa quantitativa tem validade para investigar a questão social, no âmbito do Serviço Social, que se defronta com situação sociais, conflitantes e não naturais?
 Assim, as ciências sociais e o Serviço Social abraçaram a pesquisa qualitativa, como alternativa a pesquisa meramente quantitativa para compreender as diferentes manifestações da questão social. Deram a tônica da pesquisa social.



A pesquisa quantitativa é importante para dimensionar os problemas com os quais o Assistente Social trabalha, pois, identifica o nº de crianças fora da escola, criança que estão nas ruas, faz mapeamentos e etc.. Enfim, traz retratos da realidade, mas insuficientes para:
a) trazer a centralidade dos sujeitos sua historia;
b) trazer as concepções dos sujeitos;
c) pensar a particularidade das expressões da Questão Social;
d) pensar as experiências dos sujeitos;
e) expressar como a vida é vivida;
f) as reais condições de vida não são alcançados pela pesquisa quantitativa;
g)que significados os sujeitos atribuem as suas experiências, às suas vidas.

Assim, a pesquisa quantitativa é insuficiente para nos trazer a dimensão ontológica do Serviço Social e dos sujeitos coletivos com os quais trabalham, pesquisamos.

Os dados números em si instrumentalizam a elaboração de programas, mas não prepara para a analise, para a interpretação e para o real em movimento, nas contradições e na totalidade e nem diálogo com os sujeitos.



• Por isso, a busca pela pesquisa qualitativa que proporcionasse:

a) mais do que índices, estatísticas, medianas;
b) coleta de dados, informação;
c) a simples observação empírica.
E sim proporcionassem novas metodologias de pesquisa como:
a) o dialogo com o sujeito;
b) interpretações;
c) historias do sujeito;
d) centralidade do sujeito.

Com isso, não se exclui a pesquisa quantitativa, mas, certamente, impõe um outro modo de fazer pesquisa em Ciências sociais, humanas e em serviço Social.

Não deixa de ser importante a informação quantitativa. Não se excluem os dados, a observação, a mensuração, mas, eles ganham uma outra dimensão qualitativa, de interpretação, de análises.
 O debate da pesquisa no Serviço Social não é excludente: pesquisa qualitativa ou pesquisa quantitativa?

 Pesquisa em Serviço Social é concebida como mediação constitutiva da identidade e do exercício profissional inerente ao projeto ético-político da profissão

 Estudantes e profissionais pesquisadores: pesquisa como eixo da formação e do exercício profissional.


FUNDAMENTO/PRESSUPOSTO DA PESQUISA QUALITATIVA:
(Adotam método e técnicas de pesquisa diferentes da pesquisa experimental/quantitativa)
1. Opõe-se, em geral, ao processo experimental que defende padrão único de pesquisa para todas as ciências, calcado no método das ciências da natureza. Recusa-se a admitir que as ciências humanas e sociais devam ser conduzidas pelo paradigma das ciências da natureza. Recusa-se a legitimar os conhecimentos sociais por processos quantificáveis de técnicas de mensuração em leis e explicações gerais;
2.Afirma, em oposição aos experimentalistas, a particularidade das ciências humanas - estudo do comportamento humano e social. Por isso tem metodologia própria. Considera que a adoção de modelos experimentais conduz a generalização errônea em ciências humanas;
Tanto a realidade quanto as relações humanas são qualitativas. Há uma relação dinâmica entre mundo real e o sujeito. Existe uma interdependência viva entre o sujeito e o objeto, um vinculo indissociável entre mundo objetivo e a subjetividade do sujeito. O conhecimento é mediatizado pelas mediações do SUJEITO inserido na realidade, que produz significados;

Sujeito é parte integrante do processo de conhecimento, interpreta a realidade atribuindo significados;

Objeto não é um dado inerte e neutro, possui significados e estabelece relações entre sujeitos concretos que criam suas ações.

Cria-se uma dinâmica entre pesquisador e pesquisado

FUNDAMENTO/PRESSUPOSTO DA PESQUISA QUALITATIVA:

Efetiva centralidade do SUJEITO. Apenas o sujeito é capaz de realizar significados que se (re) constrói a partir da EXPERIÊNCIA. Existência da dimensão ontológica do ser social que se expressa na centralidade do sujeito, na ética, na restituição das informações, no horizonte da intervenção que orienta os procedimentos investigativos;
5. Reconhecimento da singularidade do SUJEITO: cada pesquisa é única, o sujeito é singular; conhecer significa ouvir, escutar, permitir que se revele como sujeito na ação, no discurso... Contato direto com o sujeito da pesquisa;

6. Reconhecimento da importância de se conhecer a experiência social do sujeito e não apenas suas circunstancias de vida. Ex: visita domiciliar não é saber só as condições de moradia, quantas habitam na casa, o salário.. Isso são circunstancias. É diferente de saber o modo de vida, como constrói e vive sua vida, envolve sentimentos, valores, crenças;

7. Reconhecimento de que conhecer o modo de vida do sujeito pressupõe o conhecimento de sua EXPERIENCIA SOCIAL. Expressa conhecer a cultura, as mediações.

8. Direção social na perspectiva da emancipação dos sujeitos (humana e política), no horizonte do Projeto Ético Político do Serviço Social.

 Pesquisador e pesquisado, cria-se uma relação dinâmica, de respeito, de dialogo até o final da pesquisa.
 O pesquisado (participante) pensa a respeito do problema de pesquisa e como sujeito tem a dizer, a construir. O foco é o sujeito.

 O pesquisador é um ativo descobridor de significados das ações e das relações que se ocultam nas estruturas sociais e nas singularidades dos sujeitos. Não é mero coptador de dados, de relatos passivos. É preciso imersão no cotidiano e na cultura. Familiaridade com os acontecimentos diários. Respeita às representações, à cultura dos sujeitos, à experiência. Mantém conduta participante e tem um compromisso social, ético e político.


AS TECNICAS DA PESQUISA QUALITATIVA

 Muitas pesquisas não dispensam a coleta de dados quantitativos (perfil, estudos), principalmente, nos momentos exploratórios.
 Privilegiam técnicas/instrumentos que superam o contato indireto como o questionário, o formulário;
 São técnicas que vão incidir mais na narrativa oral, na oralidade. Privilegiam o contato direto com o sujeito, via a oralidade, para dar centralidade do sujeito, conhecer o modo de vida, a história, a cultura, as relações sociais.

 É o contato oral que busca significados da vivência para os sujeitos.
 Não visa uma pesquisa com grande número de sujeitos, (UNIVERSO), mas com sujeitos que se aprofunde o dialogo, o conhecimento. Não massificação e sim conhecimento em profundidade.
 Não se trabalha com amostra aleatória e sim, com amostras intencionais e com a concepção de sujeito coletivo, no sentido de que a pessoa expressa o conjunto de vivências de seu grupo.
 O importante não é quantidade de pessoas e sim o significado que os sujeitos têm em razão do objetivo da pesquisa.

Técnicas mais utilizadas:

• Observação participante
• Visita domiciliar
• História de vida
• Análise de conteúdo
• Entrevista não diretiva
• Fotografias/imagens significativas para o sujeito
• etc...
Uso combinado de técnicas para atingir ao conjunto de informações em relação ao objeto/objetivo de investigação.
• Reúne corpus qualitativa de informação
• Observação cotidiana no contexto ecológico
• Ouve narrativas, lembranças, biografias
• Analisam-se documentos
• Mobiliza a criatividade do pesquisador que deverá mostrar a cientificidade dos dados colhidos e dos conhecimentos produzidos (conhecimento sólido dos pressupostos)

IMPORTÂNCIA DA METODOLOGIA QUALITATIVA

 Busca conhecer as trajetórias de vida (e não descrever) experiências, significados do sujeito. Temos vida, história.
 Caráter inovador, busca de significados atribuídos pelo sujeito às suas experiências sociais.
 Dimensão política: construção coletiva é um exercício, político direção social projeto ético-político.


Referências:


 CHIZZOTTI, Anrônio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez editora. 2005.
 BAPTISTA, Dulce Maria Tourinho. O debate sobre o uso de técnicas qualitativas e quantitativas de pesquisa. In: Martinelli, Maria Lúcia (org.). Pesquisa qualitativa: um instigante desafio. São Paulo: Veras editora. 1999. Série Núcleo de Pesquisa.
 MARTINELLI, Maria Lúcia. O uso de abordagens qualitativas na pesquisa em serviço social. In: Martinelli, Maria Lúcia (org.). Pesquisa qualitativa: um instigante desafio. São Paulo: Veras editora. 1999. Série Núcleo de Pesquisa.
 MINAYO, Maria Cecília. Pesquisa qualitativa e/ou quantitativa. In aluno on-line USF.

Sem comentários:

Enviar um comentário